Revista eletrônica de investigações filosófica, científica e tecnológica

ISSN 2358-7482

 

Julho/2020, Ano VI, Volume VI, Número XIX

 

Reflexões sobre a variação linguística em Língua Inglesa e o Inglês como Língua Franca

         

         Publicado Julho/2020

 

 

Beatrice Elaine dos Santos

 

Resumo

Esta pesquisa visa refletir sobre algumas variações linguísticas ocorridas na língua inglesa (LI) ao decorrer dos anos. Discutir variações relacionadas ao inglês estadunidense e britânico que (ainda) são as variações mais influentes no âmbito acadêmico e pensar o uso desta língua na contemporaneidade se faz necessário para a prática docente. A LI, assim como as demais línguas faladas no mundo, vem sofrendo várias transformações e o uso do inglês como língua franca (ILF) tem se destacado em muitas pesquisas recentes, onde autores como Matsuda (2003), Gimenez (2014), Seidlhofer (2017) e Berns (2011) discutem visões sobre variedade da língua. Discorreremos conceitos acerca de variações da língua ancorados pela perspectiva da Sociolinguística adotada por pesquisas de autores como Labov (2008), Camacho (2013) e Mollica (2003).

Palavras-chave: Inglês como Língua Franca; Variação Linguística; Sociolinguística.

 

Resumo

Ĉi tiu esplorado celas pripensi iujn lingvajn variaĵojn okazintaj en la Angla lingvo tra la jaroj. Diskuti pri variaĵoj rilataj al Usona kaj Brita Angla lingvo, kiuj estas (ankoraŭ) la plej influaj variaĵoj en la akademia sfero kaj pensi pri la uzo de ĉi tiu lingvo en nuntempaj tempoj estas necesa por instruado. Ĝi, kiel la aliaj lingvoj parolataj en la mondo, spertis plurajn transformojn kaj la uzo de la Angla kiel Franca lingvo (ILF) elstaris en multaj lastatempaj esploroj, kie aŭtoroj kiel Matsuda (2003), Gimenez (2014), Seidlhofer (2017) kaj Berns (2011) diskutas opiniojn pri lingva vario. Ni diskutos konceptojn pri lingvaj variaĵoj ankritaj de la perspektivo de sociolingvistiko adoptita de esplorado de aŭtoroj kiel Labov (2008), Camacho (2013) kaj Mollica (2003).

Ŝlosilvortoj: Angla kiel internacia lingvo; Lingva variaĵo; Sociolingvistiko.

 

Abstract

This research aims to reflect on some linguistic variations that occurred in the English language (EL) to over the years. Discuss variations related to American and British English that (still) are the most influential in the Academia and thinking about the use of this language in contemporary times it is necessary for the teaching practice. The EL, as well as the other languages spoken in the world, has undergone several transformations and the use of English as a lingua franca (ELF) has been highlighted in many recent surveys, where authors as Matsuda (2003), Gimenez (2014), Seidlhofer (2017) and Berns (2011) discuss views on variety of language. We will discuss concepts about language variations anchored by the perspective of sociolinguistics adopted by researches by authors such as Labov (2008), Camacho (2013) and Mollica (2003).

Keywords: English as a Lingua Franca; Linguistic Variation; Sociolinguistic.

 

Biografia do autor

Beatrice Elaine dos Santos

Mestra em Estudos da Linguagem pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade Estadual de Ponta Grossa, graduada em Licenciatura Letras Português-Inglês pela mesma instituição.

 

Referências

 

BERNS, M. Entrevista - English as a lingua franca: a conversation with Margie Berns. In: GIMENEZ, T.; CALVO, L.C.S.; EL KADRI, M.S. (Ed.) Inglês como lingual franca: ensino-aprendizagem e formação de professores. Campinas: Pontes Editores, 2011.

 

CAMACHO, R. G. Da linguística formal a linguística social. São Paulo, Parábola, 2013.

 

CANAGARAJAH, S. Translingual practice: Global Englishes and Cosmopolitan Relations. London: Routledge, 2013.

 

COGO, A.; DEWEY, M. Analysing English as a lingua franca: a corpus-driven investigation. London: Continuum, 2012.

 

CRYSTAL, D. English as a Global Language. Cambridge: CUP, 2003. p.  224.

 

DÉA, C. M. Global English: Análise da representação do falante de Inglês como Língua Franca em um material didático. 2018, 122 f. Dissertação  (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Universidade Estadual Paulista  “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara, 2018.

 

FRIEDRICH, P.;  MATSUDA, A. When Five Words Are Not Enough: a conceptual and terminological discussion of English as a lingua Franca. International Multilingual Research Journal, v.4, n.1, p. 20-30, 2010.

 

GIMENEZ, T. Renomeando o inglês e formando professores de uma língua global. Estudos linguísticos e literários, nº52, Salvador, 2015, p. 73-93.

 

GIMENEZ, T. et al. Inglês como língua franca: desenvolvimentos recentes. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 15, n. 3, 2015. p. 593-619.

 

LABOV, W. Padrões Sociolinguísticos. Tradução de Marcos Bagno, Maria Marta Pereira Scherre, Caroline Rodrigues Cardoso. São Paulo, Parábola Editorial, 2008.

 

MESSIAS, C. M. F. Um estudo sobre a variação linguística em língua inglesa. Claraboia, Jacarezinho, n.2/2, p. 217- 233, jul./dez., 2015.

 

KNAPP, K.; MEIERKORD, C. (Ed.). Lingua franca communication. Frankfurt am Main: Peter Lang, 2002.

 

MAGALHÃES, S. R. G. P. Desafios para um ensino contextualizado e crítico do inglês como a língua do mundo. Cenas educacionais, Caetité, Bahia, v.1, n. 1, p. 185-206, jan./jun. 2018.

 

MOLLICA, M. C.; BRAGA M. L. (Orgs.). Fundamentação teórica: conceituação e delimitação. In: Introdução à Sociolinguística: o tratamento da variação. 3 ed. São Paulo: Contexto, 2007. p. 9-14.

 

PARK, J.S.; WEE, L. English as a Lingua Franca: lessons for language and mobility. Multilingual Margins, Bellville, v., n. 1, p.53-63, 2014.

 

SEIDLHOFER, B. Research perspectives on teaching English as a Lingua Franca. Annual Review of Applied Linguistics, Cambridge, v.24, p. 209-239, 2004.

 

______. Understanding English as a lingua franca. Oxford: Oxford University Press, 2011.

 

WIDDOWSON, H. G. ELF and the Pragmatics of Language Variation. Palestra ministrada na 7th InternationalConference of Lingua Franca, Atenas, Grécia, 04 set. 2014.