Revista eletrônica de investigações filosófica, científica e tecnológica

ISSN 2358-7482

 

Dezembro/2020, Ano VI, Volume VI, Número XX

 

A Favela Brasileira e o Gueto Sul-africano: a arquitetura da exclusão como forma de manifestação da identidade e da resistência em contextos pós-coloniais

          

           Publicado 28/12/2020

 

Celina de Oliveira Barbosa Gomes

Instituto Federal do Paraná

Natália Fernanda Francisco Duarte

Acadêmica no Instituto Federal do Paraná

 

Resumo

A estereotipação atrelada aos moradores das favelas brasileiras e dos guetos sul-africanos está relacionada ao processo de segregação sociocultural e étnico perpetrado pelo colonialismo, que incorreu em uma organização particular desses espaços. Essa organização aconteceu na parte estrutural, caracterizando tipos de construções sintomáticas dos efeitos da ação discriminatória existente nas sociedades modernas. Essa arquitetura da exclusão configura-se um incômodo para muitos moradores das cidades formais que a veem como mácula em seu projeto urbanístico desenvolvimentista; ainda que se apresente como reduto de empoderamento para seus moradores. Este trabalho pretendeu mostrar, por meio de uma abordagem pautada na revisão bibliográfica, como se constituem as estruturas físicas das favelas brasileiras e dos guetos sul-africanos, caracterizando a arquitetura da exclusão. Buscou também evidenciar como tais habitações caracterizam-se como manifestações da identidade de seus moradores à constante tentativa de apagamento e minimização de sua presença e participação social.

Palavras-chave: Zonas urbanas marginais. Brasil e África do Sul. Segregação. Representatividade.

 

Abstract

The stereotyping of the residents of the Brazilian favelas and of the South African ghettos is relationed to the process of socio-cultural and ethnic segregation perpetrated by colonialism, which incur a particular organization of these spaces. This organization happened in the structural part, characterizing types of constructions symptomatic of the effects of discriminatory action existing in modern societies. This architecture of exclusion is a nuisance for many residents of the formal cities who see it as a blot in their developmental urban project; even though it presents itself as a center of empowerment for its residents. This production aimed to show, through an approach based on bibliographic review, how the physical structures of the Brazilian favelas and the South African ghettos are constituted, characterizing the architecture of exclusion. It also sought to show how these dwellings are characterized as manifestations of the identity of their residents to the constant attempt to erase and minimize their presence and social participation.

Key-words: Marginal urban areas. Brazil and South Africa. Segregation. Representativeness.

 

Resumo

La stereotipigo de loĝantoj de brazilaj ladurboj kaj de sud-afrikaj getoj estas ligita al la procezo de soci-kultura kaj etna segregacio efektivigita de koloniismo, kio kaŭzis apartan organizadon de tiuj spacoj. Tiu organizado okazis en la struktura flanko, kaj karakterizas tipojn de konstruaĵoj, kiuj estas simptomaj pri efikoj de diskriminacia ago ene de la modernaj socioj. Tiu arkitekturo de mal-inkluzivigo ĝenas multajn loĝantojn de la formalaj urboj, kiuj ĝin vidas kiel makulon en sia disvolvisma urba projekto — eĉ se ĝi prezentiĝas kiel ŝirmejo, kie ĉe loĝantoj okazas plifortiĝo de   memregado. Per ĉi tiu laboro oni intencis montri, surbaze de bibliografia esplorado, kiel formiĝas la fizikaj strukturoj de brazilaj ladurboj kaj de sud-afrikaj getoj, tiel karakterizante arkitekturon de mal-inkluzivigo. Ĝi celis montri ankaŭ tion, kiamaniere tiuj loĝlokoj prezentas sin kiel manifestiĝoj de identeco de siaj loĝantoj antaŭ la konstanta klopodo elviŝi kaj senvalorigi ties ĉeeston kaj socian partoprenon.

Ŝlosilvortoj: Marĝenaj urboregionoj. Brazilo kaj Sud-Afriko. Segregacio. Reprezenteco.

 

 

Biografia do autor

Celina de Oliveira Barbosa Gomes

Docente de língua portuguesa e de língua inglesa do Instituto Federal do Paraná, Campus Assis Chateaubriand. Doutoranda em Letras pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). E-mail: celina.gomes@ifpr.edu.br

 

Natália Fernanda Francisco Duarte

Acadêmica do curso de Arquitetura e Urbanismo do Instituto Federal do Paraná, Campus Umuarama.

 

Rerências

 

ARAÚJO, Anete. “Estética da Ginga. A arquitetura das favelas através da obra de Hélio Oiticica”. Resenhas. In Revista de Arquitetura e Urbanismo, v.6, n.1, p.122-123, 2003.

 

PROJETO. Imagem de Favela I. In Arquiteto desenvolve soluções para melhorar conforto ambiental em favelas. Disponível em:< https://revistaprojeto.com.br/noticias/arquiteto-cria-solucoes-para-melhorar-conforto-ambiental-em-favelas/>. Acesso em 22.07. 2020.

 

______. Imagem de Favela II. In Arquiteto desenvolve soluções para melhorar conforto ambiental em favelas. Disponível em:< https://revistaprojeto.com.br/noticias/arquiteto-cria-solucoes-para-melhorar-conforto-ambiental-em-favelas/>. Acesso em 22.07. 2020.

 

BUENO, Eduardo. A história da primeira favela do Brasil. 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=9fx9p-tvD0s. Acesso em 20.09.2018.

 

BURGOS, M. B. A Utopia da Comunidade: Rio das Pedras, uma favela carioca. Rio de Janeiro: Editora PUC – Rio/ Loyola, 2002.

 

CORRÊA, Roberto Lobato. Trajetórias geográficas. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 1997.

 

FERREIRA, I. C. B. O processo de urbanização e a produção do espaço metropolitano de Brasília. In: PAVIANI, A. (Org.) Brasília: ideologia e realidade, espaço urbano em questão. São Paulo: Projeto, 1985, p 43-56.

 

FERRÉZ. Os ricos também morrem. São Paulo: Planeta, 2015.

 

GARRAHAN, Sara; JONES, Julia; OWUSU, Jay.  O que é favela? 2015. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=sxwTqGzCUyc. Acesso em 20.09. 2018.

 

GASCÓN, Marcel. Guetos sul-africanos voltam a ferver 20 anos após apartheid. 2014. Disponível em:<https://exame.abril.com.br/mundo/guetos-sul-africanos-voltam-a-ferver-20-anos-apos-apartheid/>. Acesso em 20.09.2018.

 

GOODWIN, Paul. Urban Africa: Office/MA, Urbanismo Negro. 2011. Disponível em:<http://www.buala.org/pt/cidade/urban-africa-officema-urbanismo-negro>. Acesso em 20.09.2018.

 

IPEA. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Gestão do uso do solo e disfunções do crescimento urbano: instrumentos de planejamento e gestão urbana em aglomerações urbanas. Uma Análise comparativa. V.1. Brasília: IPEA, 2001, p. 212.

 

LADEM. LABORATÓRIO DE DEMOGRAFIA E ESTUDOS POPULACIONAIS. Milhares de sem-teto sobrevivem em casebres de alumínio na África do Sul. 2010. Disponível em:<http://www.ufjf.br/ladem/2010/05/15/milhares-de-sem-teto-sobrevivem-em-casebres-de-aluminio-na-africa-do-sul/>. Acesso 20.09.2018.

LUZ, Natália da. A busca por alternativas que amenizem as fragilidades das favelas sul-africanas. 2013. Disponível em:<http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/a-busca-por-alternativas-que-amenizem-as-fragilidades-das-favelas-sul-africanas>. Acesso em 20.09.2018.

 

MEIRELLES, Renato; ATHAYDE, Celso. Um país chamado favela: a maior pesquisa já feita sobre a favela brasileira. São Paulo: Gente, 2014, 167 p.

 

PARISSE, L. Favelas do Rio de Janeiro: evolução – sentido. Rio de Janeiro: Caderno do CENPHA 5, 1969, p. 231.

 

PENA, Rodolfo F. Alves. Área de moradias precárias, em Joanesburgo, África do Sul. In Urbanização na África. Brasil Escola. Disponível em <https://brasilescola.uol.com.br/geografia/urbanizacao-na-Africa.htm>. Acesso em 12.10.2018.

 

QUEIROZ FILHO, Alfredo Pereira de. As definições de assentamentos precários e favelas e suas implicações nos dados populacionais: abordagem da análise de conteúdo. In Urbe - Revista Brasileira de Gestão Urbana, Curitiba, v. 7, n.3, p.340-353, set./dez. 2015.

 

SILVA, Graziella Moraes Dias da. Ações afirmativas no Brasil e na África do Sul. In Tempo Social – Revista de Sociologia da USP, v. 18, n. 2, p.131-165, nov. 2006.

 

VEYSSEYRE, Solène. Estudo de caso: as regras tácitas na construção de favelas. 2014. Disponível em:<https://www.archdaily.com.br/br/625874/estudo-de-caso-as-regras-tacitas-da-construcao-nas-favelas>. Acesso em 20.10. 2018.