Revista eletrônica de investigações filosófica, científica e tecnológica

ISSN 2358-7482

 

Dezembro/2020, Ano VI, Volume VI, Número XX

 

Revolução: uma revisão conceitual

          

           Publicado 28/12/2020

 

 

João Pedro Gava Ribeiro

Estudante do Instituto Federal do Paraná

 

Resumo

O presente artigo apresenta os primeiros resultados de uma pesquisa de Iniciação Científica Júnior realizada no IFPR – Campus Curitiba, buscando não apenas a compreensão do conceito de revolução (a partir da visão científica da história), mas também aspectos semânticos e hermenêuticos relacionados ao conceito. Para tanto, fez-se uso de uma pesquisa exploratória e uma revisão conceitual a partir de artigos acadêmicos e dicionários filosóficos. Entre as principais referências pesquisadas estão: Martins (1989); Bobbio (1998) e Krishna (1973). Entre os objetivos, buscou-se diferenciar revolução de rebelião e de golpe de Estado; analisar as especificidades do conceito de revolução; bem como elementos relacionados a sua historicidade. Com relação à hermenêutica, foram consideradas as correntes epistemológicas atinentes às visões marxista e conservadora expressas em autores como Karl Marx; Antonio Gramsci e Roger Scruton quanto às interpretações valorativas do legado que elas trouxeram à história. Assim, foi possível notar que, com o advento da Revolução Francesa, o conceito se transformou da noção de retorno a uma ordem antecedente para a transmutação de fato dessa ordem. Ademais, percebeu-se que as visões marxistas estão para uma ponderação positiva das revoluções de “baixo para cima” com a Revolução Russa como principal exemplo, enquanto as conservadoras estão para as revoluções de “cima para baixo”, com a Americana e a Inglesa tidas como ideais.

Palavras-chave: Revolução. Correntes epistemológicas. Revolução Francesa. História conceitual.

 

Abstract                                                                          

The present article presents the first results of a research of Junior Scientific Initiation held at IFPR – Campus Curitiba, seeking not only to understand the concept of revolution (from the scientific view of history), but also semantic and hermeneutical aspects regarding the concept. For that, an exploratory research and a conceptual review was made using academic articles and philosophical dictionaries. Among the main references researched are: Martins (1989); Bobbio (1998) and Krishna (1973). Among the objectives, an attempt was made to differentiate revolution from rebellion and coup d'état; analyze the features of the concept of revolution; as well as elements related to its historicity. With regard to hermeneutics, epistemological currents related to the marxist and conservative views expressed in authors such as Karl Marx; Antonio Gramsci and Roger Scruton were considered regarding the valuable interpretations of the legacy they brought to history. Thus, it was possible to notice that, with the advent of the French Revolution, the concept changed from the notion of returning to an antecedent order for the actual transmutation of that order. Furthermore, it was realized that marxist views are for a positive consideration of the “bottom-up” revolutions with the Russian Revolution as the main example, while the conservative ones are for the “top-down” revolutions, with the American and the British considered ideal.

Keywords: Revolution. Epistemological currents. French Revolution. Conceptual history.

 

Resumo

Ĉi tiu artikolo prezentas la unuajn rezultojn de esplorado de Juniora Scienca Inico efektivigita ĉe IFPR - Campus Curitiba, serĉante ne nur komprenon pri la koncepto de revolucio (laŭ la scienca vidpunkto de la historio), sed ankaŭ semantikajn kaj hermeneŭtikajn aspektojn rilatajn al la koncepto. Por tio oni esploris esploradon kaj koncipan recenzon per akademiaj artikoloj kaj filozofiaj vortaroj. Inter la ĉefaj referencoj enketitaj estas: Martins (1989); Bobbio (1998) kaj Kriŝno (1973). Inter la celoj, ni klopodis diferencigi revolucion, ribelon kaj puĉon; analizi la specifojn de la koncepto de revolucio; same kiel elementoj rilataj al ĝia historieco. Koncerne hermeneŭtikon, epistemologiaj fluoj rilataj al la marksismaj kaj konservativaj vidpunktoj esprimitaj en aŭtoroj kiel Karl Marx estis konsiderataj; Antonio Gramsci kaj Roger Scruton pri la valoraj interpretoj de la heredaĵo, kiun ili alportis al la historio. Tiel, eblis rimarki, ke, kun la alveno de la Franca Revolucio, la koncepto ŝanĝiĝis de la nocio reveni al precedenca ordo por la efektiva transmutacio de tiu ordo. Krome, oni konstatis, ke marksismaj vidpunktoj estas por pozitiva konsidero de la "sube" revolucioj kun la rusa revolucio kiel ĉefa ekzemplo, dum la konservativaj estas por la "desupraj" revolucioj, kun la usona kaj la brita. konsiderata ideala.

Ŝlosilvortoj: Revolucio. Epistemologiaj fluoj. Franca Revolucio. Koncepta historio.

 

 

Biografia do autor

João Pedro Gava Ribeiro

É bolsista de iniciação científica PIBIC-Jr em História e estudante do terceiro ano do curso técnico integrado de mecânica, no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná – IFPR na cidade de Curitiba/PR, sendo orientado pelo professor EBTT Thiago Augusto Divardim de Oliveira. E-mail: jpribeirogava@gmail.com.

 

Referências

 

BENTIVOGLIO, Julio. A história conceitual de Reinhart Koselleck. Dimensões: Revista de História da UFES, Vitória, v. 24, p. 114-134, 2010.

 

BLOCH, E. Thomas Münzer, teólogo de la revolución. 1. ed. Madrid: Ciencia Nueva, 1968.

 

BOTTOMORE, T. Revolução. In: Dicionário do Pensamento Marxista. [s.l.] Jorge Zahar, 2001. p. 454.

 

COLLIN, P. H. Revolução. In: Dicionário de Política e Governo. 3. ed. Cambridge, Reino Unido: Bloomsburry, 2004. p. 215.

 

GIL, A. C. Como classificar as pesquisas? In: Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2002. p. 41–56.

 

KRISHNA, D. The Concept of Revolution: An Analysis. Philosophy East and West, v. 23, n. 3, pp. 291–297, 1973.

 

FERNANDES, F. O Que é Revolução?. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

 

LIGUORI, G.; VOZA, P. Revolução. In: Dicionário Gramsciano (1926-1937). 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2017.

 

MARKOFF, J. Revolutions, Sociology of. International Encyclopedia of the Social & Behavioral Sciences: Second Edition, v. 20, p. 642–649, 2015.

 

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto Comunista. 1. ed. Expressão Popular, 2008. p. 30.

 

MARTINS, E. R. La revolución como concepto. Cuadernos Americanos (Nueva Epoca), v. 6, n. 18, p. 41–54, 1989.

 

PASQUINO, G. Revolução. In: BOBBIO, N.; MATTEUCI, N.; PASQUINO, G. (Eds.). Dicionário de Política. 1. ed. Brasília: Editora UNB, 1998. p. 1121–1131.

 

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. DE. Pesquisa Científica. In: Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2. ed. Nova Hamburgo, RS: Universidade Feevale, 2013. p. 41–118.

 

SCRUTON, R. Revolution. In: The Palgrave Macmillan Dictionary of Political Thought. 3. ed. New York: Palgrave Macmillan, 2007. p. 598–600.

 

SILVA, K. V.; SILVA, M. H. Revolução. In: Dicionário de Conceitos Históricos. São Paulo: Editora Contexto, 2009. p. 362–365.

 

TOCQUEVILLE, A. O Antigo Regime e a Revolução. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

GPFCT - IFPR

Grupo de Pesquisas Filosofia, Ciência e Tecnologias

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ - IFPR

Instituto Federal do Paraná Av. Cívica, 475 - Centro Cívico - Assis Chateaubriand - PR/ BR - CEP.: 85.935-000


​Telefone : 44-98813-1127

Email : jose.provetti@ifpr.edu.br

FIQUE POR DENTRO

Inscrições abertas:

Grupo de estudos filosóficos

IF-Sophia - Assis Chateaubriand

 

 

EVENTOS

 

IF-Sophia - Assis Chateaubriand


© 2014 Grupo de Pesquisas Filosofia, Ciência e Tecnologias - IFPR.

Orgulhosamente criado por Wix.com

  • unnamed
  • YouTube Social  Icon
  • s-facebook
  • Twitter Metallic
  • s-linkedin